carreira

Você obtém aquilo que você foca

Foque naquilo que você quer, não naquilo que você não quer

Ouvindo o episódio n. 15 do podcast Life Is A Marathon, eu me deparei com uma lição (mais ou menos no minuto 29:00) que a maioria de nós pode muito bem aplicar na vida prática para ter mais realização e sucesso, tanto na vida pessoal quanto na esfera profissional.

E a lição é justamente aquilo que está escrito no título desse artigo: você obtém aquilo que você foca. Portanto, foque naquilo que você quer, não naquilo que você não quer.

Simples, não!? Mas na prática as pessoas muitas vezes se deixam guiar pelos problemas, pelas dores temporárias que as “cegam” na busca de melhores soluções, e acabam fazendo exatamente o contrário daquilo que eu proponho no dia de hoje. Ou seja, em vez de focarem naquilo que querem, gastam sua energia mental se concentrando naquilo que não querem.

A consequência disso é uma só: expandem o problema, ao invés de materializarem a solução para esse problema.

Como diz William Douglas, especialista na área de concursos públicos:

“Aquilo que você foca se expande”.

1

Exemplos:

1. Se você é obeso e quer ganhar qualidade de vida, não fique mentalizando o problema: “eu odeio ser gordo”, “eu detesto fazer dieta”, “eu nunca vou conseguir fazer uma corrida”.

Em vez disso, mentalize e foque na solução: “eu quero estar em boa forma física”, “eu vou lutar para melhorar minha saúde”.

Foque naquilo que você quer (“ser saudável”), e não naquilo que você não quer (“odeio ser obeso”).

2. A Madre Tereza não participava de protestos do tipo “Contra as Guerras”, “Contra os Abortos”. Em vez disso, ela sempre optava por celebrações em prol da vida, em prol da paz. Ela focava naquilo que ela queria (“obter a paz”), e não naquilo que não queria (“protestar contra a guerra”). Ela preferia expandir a solução, e não concentrar seus esforços naquilo que não queria.

3. Um amigo recentemente me contou um caso que ilustra com perfeição a mensagem desse artigo.

Ele estava com problemas de vazamento hidráulico em sua casa, que estava ocasionando alagamento dos pisos dos quartos e banheiros. Como ele é apenas o inquilino do apartamento, logo chamou o proprietário para buscarem juntos uma solução.

O proprietário chamou um encanador, e, quando esse disse que seria preciso desmontar os móveis dos banheiros para consertar a tubulação e, portanto, contratar também um marceneiro, o proprietário só ficou reclamando da situação. Falou que esse problema estava lhe tirando o sono, que seria muito difícil encontrar um marceneiro, que os horários disponíveis do marceneiro e do encanador teriam que coincidir para a realização do serviço etc. etc. etc. Ele só ficava reclamando do problema. Ele focava no problema. Consequência? O problema se expandia cada vez mais na mente dele. Ele focava exatamente naquilo que não deveria focar, ou seja, concentrava sua energia mental naquilo que não queria (o problema).

O inquilino, muito mais preocupado em resolver a situação do que o proprietário, durante esse meio tempo, teve um “insight”: “e por quê não chamar logo o marceneiro que havia prestado serviço na casa no mês anterior?”.

Ele propôs telefonar para o marceneiro, e, em menos de 5 minutos, conversaram com ele e o encanador e ajustaram uma data para resolver o problema. Pronto! Simples, prático e eficaz.

Veja que interessante: enquanto o inquilino focou naquilo que queria, na solução (resolver o problema do vazamento), o proprietário ficou mais preocupado em reclamar da situação, o que fez “cegar” seu cérebro para a busca de uma solução que, no final das contas, acabou se resolvendo de forma extremamente rápida.

Suas escolhas devem ser pautadas pelos seus valores

Num artigo muito interessante intitulado Let your values drive your choices, James Clear também adota um raciocínio semelhante, mas sob uma outra perspectiva: não devemos deixar que os problemas norteiem nossas escolhas, mas sim nossos valores.

Isso porque os problemas são temporários, e, se deixarmos que eles guiem nossas escolhas, ao invés de nossos valores, acabaremos sempre adotando soluções paliativas que pouco ou nenhum resultado produzirão a longo prazo.

Exemplo: por um motivo qualquer, você “perdeu a hora” de acordar, e pulou o café da manhã a fim de chegar no horário ao seu trabalho.

Lá pelas 10, para aplacar a fome que está lhe afligindo, você resolve comer alguma coisa.

Se você for guiado pelo problema (“fome”), em vez de ser norteado pelo valor (“saúde”, se esse for realmente um valor caro para sua vida), você tomará um belo copo de 250ml de café adoçado com 4 colheres de açúcar branco refinado, com um pacote de biscoitos de uma marca qualquer, acompanhados de doses generosas de manteiga.

Ok, essa solução pode até ter apaziguado temporariamente sua fome (lembre-se de que todo problema é temporário), mas terá sido péssima para sua vida em termos de longo prazo, pois você não agiu de acordo com seus valores relativos aos cuidados com a manutenção de uma boa saúde.

Dito isso em outras palavras: se suas ações e comportamentos no dia-a-dia não estiverem alinhados com os valores que você acredita que deve seguir, certamente você não estará extraindo o melhor da sua vida. Afinal, de que adianta dizer que professa determinados valores sua vida, se no seu dia-a-dia, na hora do teste, você resolve agir em desconformidade com eles?

Conclusão

Problemas, desafios e situações inesperadas todos nós enfrentamos todos os dias. Para lidar bem com eles, e buscar soluções que os resolvam da melhor maneira possível, devemos ter em mente dois princípios básicos.

Primeiro, agir concentrando nossa energia mental naquilo que queremos, e não naquilo que não queremos.

E, segundo, e talvez o mais difícil, agir em alinhamento com nossos valores mais profundos, e não buscando paliativos que, se podem resolver o problema temporariamente, só causarão prejuízos se realizados de forma cumulativa a longo prazo.

Você obtém aquilo que você foca. Portanto, priorize a busca de soluções, em conformidade com seus princípios, em vez de ficar remoendo os problemas. Pois, como disse o Mr. Rover em seu blog Projeto Free Lifestyle,

“As pessoas que reclamam tanto geralmente são aquelas que estão cada vez mais se afundando”.

Tenham uma boa semana!

Créditos da imagem: Free Digital Photos

Texto de Guilherme (Blog Valores Reais)

 

Se você curtiu esse texto, não deixe de compartilhar e de nos seguir! 🙂 

http://sobresersupermulher.com

Anúncios

2 comentários em “Você obtém aquilo que você foca

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s