Maternidade

O fim da licença maternidade… Vai ficar tudo bem!!

  Me lembro bem do dia de retornar ao trabalho após quatro meses de licença maternidade

 

DSCF0768.JPG

Parecia até o primeiro dia de aula no ensino fundamental (vocês se lembram?? Rs), voltar a trabalhar depois de meses de dedicação quase que exclusiva à minha casa e minha família.

Toda mãe gostaria de ter a oportunidade de ensinar aos seus filhos todas as coisas boas que sonhamos para eles.  Eu tinha minhas opiniões sobre a criação dos filhos não ser assim tão influenciada pela ausência da mãe, muitas delas foram substituídas pelas lições aprendidas com a Laura e o Miguel, outras ficaram fortalecidas pelo exemplo de meus filhos.

Quando eu ganhei a Laura, tive a sorte de conseguir ficar 06 meses só com ela, naquela época, voltar ao trabalho foi assustador, primeiro porque ela era minha primeira filha, só mamava, eu quase que não fiquei longe dela no período da licença inteira enfim… meu coração eram só caquinhos (rs). Mas no final das contas, todos sobrevivemos… Menos de três anos depois veio o Miguel, dessa vez, só quatro meses para me organizar com dois filhos. Mesmo assim,  dessa vez eu já estava bem mais experiente (rs). Com o Miguel eu não tive as mesmas preocupações que tive da primeira vez, mesmo sendo somente 04 meses me senti muito segura na hora de deixá-los.

Claro que eu sei que ter a mãe em casa traz inúmeras vantagens para a criação dos filhos (eu posso testemunhar isso, várias coisas que não conseguimos fazer com a Laura em 02 anos, eu consegui em 04 meses, como fazer ela parar de chupar o dedo, dormir a noite toda na cama dela, regular o horário do sono para estar na cama antes das 21h, etc.). Claro que eu concordo que ninguém melhor para criar os filhos do que os pais! Mas mesmo com tantos argumentos e tantas pessoas tentando colocar na nossa cabeça que nada como ser mãe em tempo integral, eu acho que nada é assim tão cartesiano.

Eu não posso dizer que voltei a trabalhar só por necessidade (embora pagar as contas seja um excelente argumento). Eu amo meu trabalho e minha carreira, e eu realmente acredito que sou uma mãe melhor se for uma pessoa realizada, um ser humano útil e feliz.

O que eu diria para outras mamães que estão se preparando? – Evite a culpa e tome decisões seguras! Lembre-se de outras discussões que já tivemos aqui… para ser uma boa mãe, você precisa estar feliz!

A Bíblia tem muitas instruções sobre o papel da mulher. Paulo nos dá instruções até demais (rs) sobre como uma jovem esposa deve ser treinada. Provérbios fala da “mulher virtuosa”. Esta mulher trabalha duro para cuidar de seu lar e manter sua família em ordem.  A motivação dessa mulher é importante porque suas atividades são um meio para alcançar seu objetivo final, não um objetivo em si. Eu não acredito que sou menos sábia porque quero trabalhar fora, acredito que minha obrigação principal, que é um prazer e uma alegria para mim é garantir um lar amoroso e cuidadoso para meus filhos e isso inclui ter condições de garantir até a ajuda no sustento deles.

Desde que o Miguel fez dois meses eu tive a ajuda de uma pessoa que está até hoje comigo, assim, ele teve muito tempo para se acostumar com ela. Também tenho que reconhecer que meu esposo me ajuda muuuuito (algumas das atividades extracurriculares deles serão assumidas pelo papai).  Para amenizar o impacto da distância, eu exercitei por alguns dias alternados deixá-lo por momentos, minutos ou horas com outra pessoa. Como também não deixei de estudar, desde o primeiro mês, ele ficava com o pai e a irmã nas noites em que eu ia para a faculdade.  Enfim… dessa vez, tanto eu quanto ele já estávamos preparados.

Vou até admitir que deu uma dorzinha quando cheguei em casa no primeiro dia e soube que ele passou o dia bem, nenhum episódio de saudade rsrs, mas passou quando eu o peguei  e ele abriu a boquinha com um lindo sorriso de reconhecimento… eu soube que ele ia ficar bem… eu ia ficar bem… todos ficarão bem (rs).

Não! Eu não estou dizendo que você precisa trabalhar fora para se sentir realizada. Conheço algumas mamães que defendem fervorosamente a profissão de mãe em tempo integral. O que estou dizendo, é que as mamães não devem ser julgadas por estarem dispostas a serem mães, esposas e profissionais. Existe muito de necessidade nesta decisão, mas também existe muuuuito de auto realização.

Hoje, muitas pessoas me perguntaram como foi deixar meu Miguelzinho em casa. Não sei bem qual resposta dar para essa pergunta, mas graças a Deus, meu coração está tranquilo com a sensação de que não estou fazendo nada de errado.

Eu dou graças a Deus porque um dia minha mãe abriu mão de uma carreira (ela era professora e foi inclusive minha professora na quinta série rs) para cuidar de mim e de minhas irmãs. Sinto muito orgulho dela e com certeza almejo ser para meus filhos uma mãe tão boa quanto ela é… mas… em outro cenário. Neste cenário atual, eu trabalho fora, e continuarei fazendo das tripas coração para chegar em casa e me jogar no chão com os dois rs.

O mais importante… se você é uma mamãe como eu, e deseja ou precisa retornar ao mercado de trabalho depois dos filhos, saiba que o primeiro passo é abrir mão de toda a culpa. Avalie com cuidado sua decisão e se, você decidir que precisa sair, fique tranquila. Todos vão ficar bem!

Se você curtiu esse texto, não deixe de compartilhar e de nos seguir! 🙂 

http://sobresersupermulher.com

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s