Ser mulher

Incompreensão… dá para lidar com isso???

download (1)

Sabe aquela sensação de que você não consegue mostrar o que está tentando? Às vezes me sinto assim, uma “incompreendida” (rs)… E hoje, eu queria dividir com vocês um sentimento que, talvez, seja conhecido de alguns (virghe essa introdução me pareceu bem depressiva agora que li, mas afinal, esse blog não é sobre se achar invencível, é sobre ser forte reconhecendo nossas fraquezas).

Aquela sensação que vem quando parece que seus atos não se adequam ao que os outros veem, falam ou até esperam. Na verdade eu acho que isso é mais frequente nas pessoas que, como eu, se cobram muito. Porque, o mundo já te garante uma taxa bem grande de cobranças, se somadas as suas o nível pode ficar estratosférico.  Se sua régua já é alta e sobe a cada dia você corre o sério risco de se sentir incompreendida quando os outros não conseguirem sentir seus sentimentos, seus medos, suas vontades…

Mas pense comigo um instante… Por que nos sentimos assim? Afinal, se o foco deve ser estarmos satisfeitos conosco, se é importante não nos adequarmos ao mundo, mas sermos únicos sendo felizes com isso, porque esperamos tanto assim essa tal “compreensão alheia?”.

Também não me venha com essa de que você não liga para o que as pessoas pensam… Todas ligamos! A questão não é ligar, a questão é entender que nem sempre haverá unanimidade nos julgamentos, então você não precisa esperar que te aceitem como você é, não perfeita, não exata… mas você!

Quando eu me sinto assim (uma incompreendida) me forço a refletir sobre o que exatamente eu estou esperando dos outros. Lembro-me de que minha prioridade não é ser aceita (pelo menos não neste mundo). Afinal, não há um padrão de normalidade pré-determinado. Eu quero SER FELIZ!

É claro que eu acho importante mudar, às vezes esse é o único caminho para que você alcance seus objetivos e eu tenho me esforçado muito nisso. Mas é importante saber por que você quer mudar e nunca, nunca, pode ser simplesmente por achar que é a única forma de ser aceito. É preciso ter muito cuidado para não ter a constante sensação de existir para o outro. Corrigir aquilo que está errado em você deve ser resultado da sua reflexão e da certeza que você tem sobre o que deve ser mudado.

Ser “compreendido” nunca vai ser unanimidade. Eu me esforço em não rotular ninguém e espero que as pessoas possam fazer o mesmo comigo, mas quando não fazem, e essa sensação bate forte em mim, lembro-me que eu preciso ser madura e viver com isso, tentar mudar é uma condição importante, mas mesmo que você faça o que esperam de você, sempre haverá um algo mais. Como dizem por ai: “Falta-me um “quê” de não sei o quê”.

Para todos, o mais importante é: NADA DE MIMIMI (porque nada é mais chato do que o discurso do “ninguém me ama, ninguém gosta de mim”). Essa sensação da incompreensão ela vai aparecer de vez em quando, mas ela não pode ser a força propulsora que vai colocar seu barco em mar aberto. Lembre-se sempre… a vida é o mar, você não tem o controle das águas, mas Deus te deu o controle do leme!

Para terminar, eu vou colocar aqui abaixo uma história que deve ser conhecida de muitos… a paráfrase é de Paulo Grigório, mas a história é de alguém que entende muito bem sobre aceitação.

“Todas suas vizinhas a desprezavam.

Ela podia sentir, ao caminhar pelas ruas daquele vilarejo, os olhares se desviando dela, e ouvia os comentários maliciosos que lhe faziam pelas costas.

Por isso, evitava ao máximo os contatos sociais, não participando das atividades comuns das demais mulheres, daquele lugar.

Isso lhe doía muito, e a fazia pensar: mas eu não tenho culpa, eu sou a vítima nessa história…

Eu que fui enganada, vezes após vezes, com palavras doces e meigas, porém vãs, de quem me prometia abrigo, aconchego, segurança, um nome na sociedade, o respeito público.

Não uma, mas cinco vezes…

Cinco homens me usaram, aproveitaram-se de minha ingenuidade, querendo apenas minha beleza, meu corpo. E, depois, foram embora, deixando para trás minha vida em pedaços, meu coração esmagado…

A assim, decidi: não confio mais em nenhum. E também não preciso da amizade de nenhuma mulher desta cidade. Quero, simplesmente, viver minha vida. Por isso me tornei uma pessoa um tanto quanto ríspida: antes que me ataquem, eu percebo a maldade no olhar delas, e acabo com elas com palavras duras e ferinas. Sou assim mesmo, não meço minhas falas, se machucar alguém, problema dessa pessoa por ser tão sensível. Afinal, a vida é cruel.

Atualmente, outro apareceu, da mesma maneira: voz mansa, palavras meigas, carinhoso, afirmando que é diferente dos outros.

Na verdade, ele fala o que quero ouvir, e me trata como quero ser tratada!

Será que este é diferente? Será que quer mais do que meu corpo, quer meu coração, compartilhar sua vida comigo? Ser o braço forte que tanto preciso?

Entretanto, ele está comprometido com outra mulher…

Diz que não a ama, que ela o maltrata, o despreza, e por isso, está em processo de separação.

A princípio eu não quis, mas a forma como ele me trata… por isso, cedi, e estou com ele.

E agora, mais do que nunca, sou desprezada e odiada pelas outras mulheres.                                 

Por isso prefiro andar só. Todas vão de manhã buscar água no “Poço de Jacó”, mas eu vou quando o dia está mais quente, pois sei que não vou encontrar nenhuma daquelas fofoqueiras presunçosas.

Mas, ao se aproximar do poço, ela avista alguém sentando nele: Jesus!

Certamente você já sabe de quem estou falando, nesta narrativa livre, uma verdadeira paráfrase da história contada por João em seu evangelho, capítulo 5.

Você sabe como continua a história: o diálogo que o Senhor tem com ela, não a menosprezando, mas retira camada a camada daquela “casca de proteção” que ela criou sobre si mesma. E atinge o seu coração, que se abre para a verdade de Jesus, crendo nele completamente!

Este relato nos ensina uma verdade fundamental, válida para mim e para você, nos dias atuais: Jesus, em seu tão grande amor, graça e misericórdia, se compadece de nós, e  se propõe a ter um encontro conosco, onde curará as nossas feridas d’alma, retirando-nos de dentro de nossa casca de isolamento e amargura, nos levando a um novo tempo de vida, livres de nossas prisões! O Senhor lhe diz, hoje: “Beba da água que eu tenho! Eu quero curar as suas feridas!” Mas, você precisa lhe dizer a verdade, abrir o seu coração, tirar todas as máscaras, e assim, ser completamente curado pelo Deus de amor!”.

 

Se você curtiu esse texto, não deixe de compartilhar e de nos seguir! 🙂 

http://sobresersupermulher.com

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s